Notícias

01/02/2018

Sincomercio Jundiaí e Região é contrário à proposta do setor de cartões de crédito que prevê o fim dos parcelamentos sem juros

As formas de pagamento devem ser definidas pelos empresários, por se tratar de uma estratégia de negócio moldada de acordo com o fluxo de caixa e a conveniência dos clientes



A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) e o Sincomercio Jundiaí e Região são contrários à proposta do setor de cartões de crédito que prevê o fim dos parcelamentos sem juros na aquisição de bens e serviços. A proposta, apresentada ao Banco Central no início de janeiro, prevê que as empresas de cartões passem a oferecer modelos similares a crediários para seus clientes como forma de parcelar suas compras e que o prazo de pagamento aos lojistas seria reduzida de 30 para cinco dias.

 

Para a FecomercioSP e o Sindicato, no entanto, cabe aos varejistas definir suas práticas de negócio, desde que ajam dentro da lei. Dessa forma, as Entidades acreditam que quem deve definir como cobrar é o próprio comerciante - considerando sua capacidade, seus parceiros e a necessidade e conveniência de seus clientes.

 

“Estamos vivendo um período de retomada da atividade econômica e essa proposta do setor de cartões de crédito ao Banco Central é completamente desfavorável ao nosso segmento empresarial. Acreditamos que interferências do Estado em operações de negócios privados, por pressão de algum setor ou por definição governamental, tendem a gerar resultados prejudiciais ao comércio. Poderá, inclusive, ocasionar queda nas vendas porque muitos consumidores ainda não têm condições de comprar à vista”, avalia Edison Maltoni, presidente do Sincomercio Jundiaí e Região.

 

Ainda assim, caso a medida seja implementada, a FecomercioSP e o Sindicato defendem que o recebimento das vendas pelo lojista seja realizado no dia seguinte à operação, em vez de cinco, após a venda, conforme especulado, uma vez que os consumidores arcarão com os juros da operação.

 

As Entidades reforçam que as políticas econômicas devem ser desburocratizadas. Até recentemente, por exemplo, os varejistas eram impossibilitados de oferecer condições diferenciadas de pagamento em compras em dinheiro e no cartão. Essa impertinência legal foi combatida pelas Entidades, pois prejudicava os clientes e empresários que eram impedidos de, em comum acordo, fazer negócios melhores para ambos. A tese da FecomercioSP de liberdade de negócios venceu e, hoje, o comércio se beneficia dessa flexibilidade.

 

Sobre a FecomercioSP

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) é a principal entidade sindical paulista dos setores de comércio e serviços. Congrega 143 sindicatos patronais – incluindo o Sincomercio Jundiaí e Região - e administra, no Estado, o Serviço Social do Comércio (Sesc) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). A Entidade representa um segmento da economia que mobiliza mais de 1,8 milhão de atividades empresariais de todos os portes. Esse universo responde por cerca de 30% do PIB paulista - e quase 10% do PIB brasileiro -, gerando em torno de 10 milhões de empregos.

Assine nossa Newsletter

Enviando formulário…

O servidor encontrou um erro.

Formulário recebido.

Veja mais

Rua Prudente de Moraes, 584 - Centro - Jundiaí, SP

Fone: (11) 4583-1410

2015 SINCOMERCIO JUNDIAÍ -  Desenvolvimento e  Design: